Como visitar os Jardins de Monet – em Giverny

Imagine na sua infância abrir um livro sobre arte com uma reprodução em página-dupla de um quadro famoso que você nunca viu. Olhando curiosamente para ele, vê tranquilidade, paz, sente algo que acalma seu interior… Pensa, talvez, ser uma representação do paraíso para sua cabeça tão pequena. Não sabe nada sobre o autor, muito menos que aquela pintura chega quase à perfeição da representação de um lugar real… Isso mesmo, esse paraíso existe, e essa criança já crescida e de barba no rosto teve a oportunidade de ver com os próprios olhos… Vamos conhecer hoje um cantinho especial bem perto de Paris, chamado Giverny.

Vista geral do lago de Monet, no jardim das águas. Um dos quadros dele é igualzinho a isso, o paraíso.

Vista geral do lago de Monet, no jardim das águas. Um dos quadros dele é igualzinho a isso, o paraíso.

O artista citado anteriormente trata-se de Claude Monet (1840-1926), um dos mais importantes pintores do impressionismo. E ficamos felizes em expressar a emoção de ter visto obras deste famoso artista em vários lugares que Já Fomos. Incrível a sensação de arrepio ao chegar bem pertinho das pinceladas deste mestre que, sem dúvida, marcou o mundo com seu trabalho.

Estamos neste post em Giverny, um pequeno vilarejo próximo de Paris (apenas 70 km) que nos emociona por seu bucolismo e principalmente por exalar romantismo. Talvez as cores e luzes que encantam os turistas atualmente, devem ter encantado o artista, que mudou-se para cá para criar seus oito filhos e pintar, pintar e pintar… Neste lugar não precisa de mais nada para inspirar o artista.

Uma cena que pudemos presenciar: um pedido de casamento em um lugar romântico como este. É o não de arrepiar?

Uma cena que pudemos presenciar: um pedido de casamento em um lugar romântico como este. É o não de arrepiar?


Como chegar

Pega-se um trem na Gare St Lazare até Vernon, um vilarejo muito bonito. Este trem de alta velocidade é um intercité, de dois andares. Não há possibilidade de marcar assentos e nem descontos para compra em internet. Pode-se comprar no local mesmo. Mas planeje antes verificando os horários dos trens de ida e volta. Verifique neste site. Deve-se fazer a compostàge do bilhete antes de subir no trem (não precisa se tiver comprado com antecedência pelo site com data e hora marcadas), senão você poderá levar multa se for pego sem validar o tíquete antes. É só procurar uma maquininha amarela perto do trem e enfiar o bilhete que ela carimba a data e horário no mesmo… Pegue o trem com destino Rouen (final da linha) mas lembre de descer em Vernon, viu?

Trem de Paris-Vernon, bem cedinho, por isso essas caras de sono...

Trem de Paris-Vernon, bem cedinho, por isso essas caras de sono…

O valor do trajeto em 2014 é de 14,30 euros  (28,60 euros ida e volta). Na estação é possível comprar o ingresso da volta com horário em aberto. O tempo de viagem é de aproximadamente uma hora.

Estação de Vernon. É aqui que descemos do trem e iniciamos nosso passeio romântico.

Estação de Vernon. É aqui que descemos do trem e iniciamos nosso passeio romântico.

Chegando em Vernon, saia da estação e a poucos metros da mesma há uma placa indicando o local que a linha de ônibus para Giverny faz parada. Compre o ingresso na hora de embarcar com o motorista mesmo – os horários são de acordo com a chegada dos trens. Lembre-se de pedir o aller-retour (ida-e-volta) por apenas 4,00 euros.

Vernon, um vilarejo tão bucólico quanto Giverny. Se tiver tempo, valhe a pena andar um pouquinho por suas ruas.

Vernon, um vilarejo tão bucólico quanto Giverny. Se tiver tempo, valhe a pena andar um pouquinho por suas ruas.

Em 10 minutos você será deixado em um estacionamento a 7km de Vernon. Neste estacionamento há uma placa com os vários horários de retorno. Dali é só seguir a multidão e as placas, em uma caminhada de 10 min e chegará na Fundação Claude Monet.

Um caminho muito bonito para a Casa de Monet.

Um caminho muito bonito para a Casa de Monet.


Período de funcionamento

Verifique se estará aberto a visitação durante sua viagem, pois costuma abrir diariamente somente no período de 1° de Abril a 1° de Novembro. Funciona de 09h30 a 18h, última entrada meia hora antes. Vale a pena comprar ingressos com antecedência devido grande número de turistas. Clique aqui para comprar. Tente chegar bem cedo para não encontrar o local lotado.

Mapa da Casa e Jardins de Monet, na entrada da Fundação Claude Monet.

Mapa da Casa e Jardins de Monet, na entrada da Fundação Claude Monet.


Clos Normand – um lindo jardim

Após a sua chegada , em 1883, Monet tornou-se um jardineiro. Um jardineiro que cultiva seu jardim como um pintor, criando sua paleta natural. Ele começou a trabalhar em irrigação e terraplanagem e a transformar o jardim anexo à casa, chamado de “Clos Normand”. Ele tinha uma enorme biblioteca com uma coleção de 26 volumes dedicados a flores e jardins da Europa. Sua paixão por flores e suas cores dá para perceber tanto em seus jardins quanto em suas obras. Nada foi plantado de forma aleatória. E até hoje o jardim é cuidado tentando manter seu aspecto original a cada estação do ano.

Jardim Clos Normand, mesmo no outono conseguimos pegar algumas lindas flores, imagine na primavera...

Jardim Clos Normand, mesmo no outono conseguimos pegar algumas lindas flores, imagine na primavera…

Não se pode deixar de observar os arcos do corredor coberto com rosas trepadeiras e capuchinhos que rastejam pelo chão (mas isso ocorre mais no período da primavera). E por falar em estação do ano, sem dúvida, a melhor época para se visitar é na primavera, mas o outono, período que fomos, também tem sua explosão de cores que deixam os visitantes maravilhados.

A parte mais bonita do jardim de Clos Normand, o arco que na primavera é um espetáculo de cores. Dá para ver algumas tímidas flores do outono, mas não é a mesma coisa.

A parte mais bonita do jardim de Clos Normand, o arco que na primavera é um espetáculo de cores. Dá para ver algumas tímidas flores do outono, mas não é a mesma coisa. Até parece um pouco abandonado, mas é porque o esplendor daquele ano já havia passado (primavera e verão).


O Jardim das águas

Dez anos mais tarde, Monet comprou outra terra no fundo do Clos Normand, do outro lado da estrada de ferro. Para chegar lá ainda se passa sob uma passagem subterrânea. Ele obteve permissão para modificar o curso de um riacho, para criar um lago coberto por nenúfares. Isso despertou a hostilidade de alguns habitantes de Giverny, que temiam o envenenamento de animais por plantas exóticas que o mesmo cultivava na água e também temiam a falta de água.

A ponte e o lago com várias  plantas aquáticas, as Ninpheas ou nenúfares.

A ponte e o lago com várias plantas aquáticas, as Ninpheas ou nenúfares.

Monet acabara de criar o “Jardim das Águas” de inspiração japonesa com a finalidade de pintá-los. O artista primeiro cria o motivo e depois os reprodu brilhantemente em suas telas da famosa coleção chamada “Nenúfares” (ou Nimpheas), podendo ser admiradas no Musée de l’ Orangerie em Paris – (nós conferimos e são de tirar o fôlego).

Os famosos barquinhos de Monet ainda estão na água.

Os famosos barquinhos de Monet ainda estão na água.

Em torno do lago, ele plantou salgueiros, bambu, íris, juncos e arbustivos japoneses reforçando a atmosfera oriental, que sobrevivem até hoje e fazem um espetáculo quase que paradisíaco de cores.

Um caminho colorido, um paraíso escondido em um lugar chamado Giverny.

Um caminho colorido, um paraíso escondido em um lugar chamado Giverny.

Uma explosão de cores no outono nos jardins de Monet.

Uma explosão de cores no outono nos jardins de Monet.

A ponte de madeira que atravessa o lago é de inspiração japonesa com uma única diferença, ao invés do vermelho tradicional, Monet preferiu o verde. Sem dúvida sua representação em um quadro faz o observador, mesmo não conhecendo muito de arte, lembrar logo do Monet.

A famosa ponte japonesa verde, que estava na obra que vi quando criança, inesquecível.

A famosa ponte japonesa verde, que estava na obra que vi quando criança, inesquecível.

Le bassin aux nymphéas” (veja aqui), mas especificamente a de tons verdes, foi a obra que eu me referia no inicio deste post e tive um reencontro com esta, já grandinho, no museu do Orsay e garanto que ao ver a versão original, após ter conhecido a versão “natural”, muito nos emocionou.


A Casa de Monet

Depois de passear pelo Clos Normand e o Jardim das Águas, agora visite a Casa de Monet. Este refúgio do artista tem muita coisa legal para mostrar, pena que não dava para tirar fotos lá dentro… Há um salão enorme cheio de quadros pendurados na parede, este é o lugar que mais impressiona da casa, um modesto salão onde funcionava o seu atelier. Estes quadros são cópias dos originais que ali ficavam pendurados para sua comercialização. Pode-se visitar o quarto do mesmo no primeiro andar. Percebe-se também muitas gravuras japonesas espalhadas pela casa. A arte oriental era uma de suas paixões.

A Casa de Monet, um local preservado cheio de história do grande artista.

A Casa de Monet, um local preservado cheio de história do grande artista.

Não deixe de ver a copa toda em tom de amarelo, com uma imensa mesa com 14 cadeiras… Isso mesmo! Monet teve oito filhos, precisava de uma mesa enorme para acomodar todos. A cozinha é toda em tom de azul, muito bonita e impressionou visitar uma cozinha do século XIX e suas parafernálias.

Como não se pode tirar fotos, recomendamos visitar o site oficial para ter um exemplo do que você verá. Ao terminar o passeio, dê uma passada na lojinha que vende muitos itens e souvenieres. Com certeza você vai querer levar de tudo…

A lojinha de souveniers, vale a pena passar por lá no final.

A lojinha de souveniers, vale a pena passar por lá no final.


O fim da vida do artista

Monet teve catarata no final de sua vida, mas mesmo assim, isso não o fez abandonar sua paixão pela pintura. Ele passou a usar cores mais vibrantes como o vermelho escarlate outros rosas, verdes e amarelos mais fortes. Morreu em 1926 e deixou um vasto legado para a arte que pode ser apreciado em diversos museus pelo mundo afora, mas também deixou sua casa e seu jardim, uma outra forma de arte, porém mais viva e que deve estar no seu roteiro quando for a Paris.

Finalizando o passeio com esta paisagem do terreno que o ônibus de Giverny te deixa.

Finalizando o passeio com esta paisagem do terreno que o ônibus de Giverny te deixa. Não precisa falar mais nada.

 

Fundação Claude Monet
http://fondation-monet.com/fr/
84, Rue Claude Monet
27620 – Giverny
Tel 02 32 51 28 21

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

4 comentários sobre “Como visitar os Jardins de Monet – em Giverny

  1. Mariana Souza

    Olá! Ótimo post, adorei as fotos e dicas. Pretendo conhecer em Outubro. Será que é muito frio nesta época? Em que mês vcs foram? Abraços!

    1. MaeMy Autor da Postagem

      Olá Mariana, agradecemos pela visita e que bom que gostou! Fomos em meados de outubro e o friozinho era bem gostoso, de modo geral, quanto mais para o final do mês mais frio você passará. Pegamos aproximadamente 06 a 10 graus Celsius.
      Abraços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: